Infraestrutura de TI

E-commerce: 10 dicas para dimensionar servidores na nuvem!

Escrito por Telium

Lojas on-line, assim como as físicas, têm picos de vendas em diferentes datas no decorrer do ano. É preciso, então, que o e-commerce se prepare para esses períodos. Se não houver esse cuidado, a marca corre o risco de perder clientes. Afinal, quem gosta de ficar na fila (ou receber uma página de erro)?

Para evitar problemas nas demandas sazonais (que ocorrem no Natal, na Black Friday, nos Dias das Mães, dos Pais e da Criança, entre outros), é importante dimensionar servidores da empresa adequadamente. É importante que a arquitetura do site preveja sua escalabilidade.

Afinal, é muito difícil saber como será o movimento do site nesses momentos de pico. No entanto, com a computação em nuvem, isso ficou bem mais fácil — graças à sua flexibilidade. Neste post, falamos sobre a importância de dimensionar servidores da sua loja virtual. Acompanhe!

1. Verifique a infraestrutura

Antes de definir as características do dimensionamento, é fundamental coletar informações do ambiente. Só assim o trabalho pode ser eficiente e assertivo. O primeiro passo é documentar os servidores, storages e serviços utilizados.

Quanto mais detalhadas forem as informações, melhor: se são máquinas físicas ou virtuais, qual o hypervisor usado e assim por diante. Esses dados ajudam a entender o que precisa ser adaptado. Em geral, vale a pena migrar para a nuvem em vez de investir em servidores e data centers físicos.

Um bom exemplo são os servidores do sistema de nome de domínio (Domain Name System – DNS): embora sejam serviços bastante simples, são críticos para a companhia. Na nuvem, eles já vêm com disponibilidade, confiabilidade e segurança.

2. Execute um teste de carga

Uma das principais práticas para avaliar a capacidade do site de receber um alto volume de acessos se chama teste de carga. É ele que indica se a loja aguenta receber, em apenas 24 horas (como é o caso da Black Friday), um volume de acesso que pode ser até 15 vezes maior que o normal, segundo estimativas do Google.

Ou seja, se, por algum motivo, o site ficar indisponível no dia da promoção, é importante que haja uma versão reserva para assumir a operação automaticamente, de forma que o consumidor não perceba. Essa disponibilidade 24×7 é crucial nesses momentos de alta demanda.

3. Avalie o sistema operacional

Especialmente se a empresa for migrar os servidores para a nuvem, é essencial avaliar os sistemas operacionais em uso. Como existem limitações com determinadas versões, vale a pena avaliar se é necessário fazer uma atualização.

4. Mantenha o uso real de recursos

O princípio da computação em nuvem é que a empresa paga apenas pelo que consome. E mais: consome apenas o que precisa. Assim, se um servidor tem dezesseis núcleos de processamento, mas seu uso atinge, em média, 20% dessa capacidade, significa que a organização não precisa desses dezesseis, mas de, no máximo, quatro.

Se fizer a transposição, vai pagar por uma máquina de quatro núcleos — que atende perfeitamente à sua necessidade. E é aí que está a grande vantagem de manter uma loja virtual na nuvem: nos momentos normais, o custo é bem menor do que nos momentos de grande volume de acessos.

E mais: se, em uma data comemorativa, for necessário aumentar o tamanho do servidor para oito ou dezesseis núcleos, isso será feito facilmente para atender àquela demanda. Se, em seguida, o tráfego voltar aos níveis de dias comuns, a empresa volta a ter os quatro núcleos.

5. Considere as horas de uso

Quando se opta pela computação em nuvem, os recursos não precisam ficar ligados o tempo todo — afinal, paga-se pelo consumo e, se não há ninguém usando o sistema, não há porque pagar por ele. Alguns setores da companhia são usados apenas em horário comercial e não precisam ter recursos à disposição o tempo todo.

Além disso, a escalabilidade pode atender às oscilações de demanda no decorrer do dia. Uma loja on-line que precisa de vinte servidores durante o dia, talvez tenha uma demanda noturna menor e possa passar com menos recursos. No caso das datas comemorativas ou períodos sazonais, o raciocínio é o mesmo.

6. Analise a previsão de crescimento

Com base em dados já consolidados (tanto das mesmas datas em anos anteriores quanto do dia a dia da operação), é possível fazer estimativas da previsão de crescimento. Com essas informações em mãos, fica mais fácil projetar a capacidade necessária para o volume esperado.

7. Não abra mão da segurança

Outra preocupação deve ser a segurança do sistema para evitar ataques, fraudes e indisponibilidades. O enorme volume de transações atrai hackers dispostos a cometer crimes virtuais que podem sobrecarregar ou mesmo derrubar a loja — e, assim, trazer prejuízos significativos.

Uma das investidas mais conhecidas e populares nessas situações é o ataque distribuído de negação de serviço (Distributed Denial of Service – DDoS). É essencial, portanto, usar ferramentas que analisam o fluxo em tempo real, descartam o tráfego malicioso e entregam apenas o legítimo.

Além disso, a loja deve estar preparada para o caso de haver problemas. Mesmo que a meta seja evitá-los, é preciso saber qual será o plano de ação caso isso não seja possível. A arquitetura do sistema deve prever diferentes tipos de comportamentos que podem acontecer nessas datas específicas.

8. Confira a usabilidade

Além das características técnicas do equipamento necessário para que a operação flua da melhor forma possível, é importante que a usabilidade ofereça a melhor experiência para o cliente. Assim, os produtos devem ter descritivos completos e as informações relacionadas à compra devem estar bastante claras.

Dessa forma, o tempo que o consumidor fica em cada página é diminuído e, consequentemente, as vendas são mais ágeis. Além disso, o sistema deve ser desenhado para informar o consumidor sobre cada etapa do processo: do momento da compra à efetivação da entrega.

9. Ofereça suporte

Em datas comemorativas, é importante oferecer suporte eficiente à clientela. Assim, a equipe deve evitar que possíveis problemas aconteçam e atrapalhem o processo de vendas.

Sem isso, pode haver perda de receita e, como consequência, um impacto negativo para a marca.

10. Assegure a privacidade e a transparência

É fundamental que os dados dos clientes estejam em segurança e que sua privacidade seja preservada. Além disso, é preciso ter um planejamento que contemple o tratamento das informações coletadas nessas datas de grande movimento, bem como seu uso para melhorar as estratégias do negócio ao longo do ano.

E então, sua loja virtual está preparada para as vendas de fim de ano? Gostou do nosso post sobre como dimensionar servidores? Siga-nos nas redes sociais (estamos no Facebook e no LinkedIn) para ter acesso a outros conteúdos similares.

 

Sobre o autor

Telium

Deixar comentário.

Share This