Gestão de processos

Veja como o load balance pode ajudar na alta disponibilidade de rede do negócio

Escrito por Telium

Qual o custo da indisponibilidade em sua empresa? Muitas organizações, em todos os portes e segmentos, começam a levantar esse dado para definir estratégias de aumento da confiabilidade em seus sistemas, dentre as quais o load balance é uma das mais eficazes.

Para se ter uma ideia da seriedade da questão, uma pesquisa divulgada em 2016 pelo site Computer World revelou que as empresas brasileiras amargam, em média, 14 paradas de sistemas por ano, o que representa um prejuízo anual da ordem de incríveis US$ 18 bilhões. É, sem dúvida, um dos mais críticos problemas de TI nas empresas. E há ainda outros estudos ainda mais preocupantes sobre o tema.

Um outro levantamento, dessa vez de uma empresa norte-americana especializada em recuperação de dados, mostrou que apenas 37% das organizações na América Latina possuem um plano completo para recuperação de desastres. Mas é no e-commerce que a indisponibilidade promove os maiores estragos: quem não se lembra do inesperado downtime nos sistemas da Amazon, em 2013, que causou à gigante mundial do varejo online um histórico prejuízo de mais de US$ 66 mil dólares por minuto?

Você não quer nem pensar na ideia de ter que enfrentar prejuízos como esses em sua empresa, certo? Então, que tal utilizar estratégias de controle de tráfego como o load balance (balanceamento de carga)? Se não sabe muito bem do que se trata, eis um ótimo momento para conhecer esse recurso de proteção aos seus webservers!

O que é load balance?

Chamado em português de balanceamento de cargas, load balance diz respeito ao processo de distribuição da carga de trabalho entre servidores, computadores, enlaces de redes ou outros recursos que realizam uma mesma tarefa (como dar suporte às compras em uma loja virtual ou exibir um site específico, por exemplo), otimizando desempenho, reduzindo tempo de resposta e evitando sobrecargas.

Lembre-se de que picos de acessos repentinos (como no caso de uma varejista online em dia de Black Friday) podem tirar seu site do ar, ocasionando prejuízos como os citados acima.

Como funciona o balanceamento de carga?

O conceito de distribuição de carga baseia-se na ideia de utilizar múltiplos componentes para aumentar a segurança e a confiabilidade de sistemas por meio da redundância, o que confere aplicações diversas a esse tipo de estratégia.

Um exemplo seria um portal que tenha uma audiência média baixa, mas que, de repente, veja sua quantidade de page views subir 1.500%. Provavelmente, um único servidor não dará conta dessa flutuação na demanda de acessos. Entra em cena então o load balance, por meio do qual inúmeros servidores conectados em rede dividirão entre si todas as requisições feitas.

É importante destacar que, nesse caso, há um dispositivo responsável pelo balanceamento e pela sincronização dos dados de forma automática. No final das contas, o load balance objetiva “desafogar” o servidor principal, descentralizando o tráfego e distribuindo estrategicamente os usuários de outros servidores — mudanças que melhoram significativamente o desempenho de toda a infraestrutura de TI.

Outro exemplo seria uma organização que trabalhe com diferentes links de internet, de forma transparente e de acordo com a capacidade desses links. Caso trabalhasse com 2 links distintos, a empresa poderia destinar um link para tráfego de e-mails e outro para acesso a sites.

Um dos grandes benefícios desse tipo de recurso é que, caso haja queda de um dos links, o tráfego é automaticamente desviado ao outro, evitando assim a indisponibilidade (failover).

Quais os benefícios do balanceamento de carga?

As vantagens de utilizar a técnica do balanceamento de carga são inúmeras. Algumas delas:

  • ausência da necessidade de instalação de hardwares (utilização com base nas tecnologias de Cloud Computing);

  • aumento da confiabilidade dos serviços e/ou aplicações;

  • garantia de que os servidores estejam sempre 100% disponíveis, além de facilidade na realização de manutenções (uma vez que os outros servidores continuam atendendo às requisições normalmente);

  • em caso de indisponibilidade em qualquer um dos links, o tráfego é desviado automaticamente para o outro (failover);

  • direcionamento do tráfego automaticamente por caminhos alternativos.

Quais são os problemas de não ter um planejamento de TI que preveja a utilização equilibrada dos recursos?

Em uma era em que a gestão de dados é o alicerce de todos os negócios, problemas corriqueiros com indisponibilidade podem gerar cancelamento de vendas, maior custo médio com folha de pagamento (por força da baixa produtividade), aumento nas taxas de churn e, pior do que tudo isso, uma mácula irreparável na imagem das empresas.

Quem pode testemunhar sobre isso são as companhias aéreas Delta, Southwest Airlines e Jetblue que, em 2016, acumularam violentos prejuízos em função de queda de sistemas. Só a Southwest estima que um único episódio de downtime (outage) tenha custado à companhia entre US$ 28 e US$ 54 milhões. Já a Delta teve impressionantes 1.780 voos cancelados em seu último caso de indisponibilidade. Definitivamente, é preciso se precaver.

O fato é que, conforme sua empresa se expande, se torna necessário ampliar sua infraestrutura de TI, adicionando novos ativos de rede, aumentando sua capacidade de armazenamento de dados em nuvem e adicionando mais servidores para fortalecer a capacidade de resiliência de suas aplicações. Entretanto, se tudo isso for feito sem o planejamento adequado, gargalos e ineficiências se tornam inevitáveis, ocasionando a utilização desequilibrada dos recursos (e o aumento desnecessário de custos nas operações de TI). Sua TI possui esse tipo de problema?

Um estudo da consultoria norte-americana Forrester (feito em 2015 e que contou com 157 profissionais de TI), mostrou que 34% dos entrevistados enfrentam problemas de indisponibilidade todos os dias; 42% perdem entre uma hora e uma semana para identificar as causas do downtime e 60% deles costumam envolver entre 4 e 10 funcionários para recuperar os sistemas. É muita perda de foco, de produtividade da equipe de TI e, é claro, de recursos financeiros. Estratégias como colocation, load balance e cloud storage podem evitar esse tipo de dor de cabeça.

Agora que você já compreendeu a importância do balanceamento de carga para ampliar o retorno sobre investimento (ROI) de sua TI, curta nossa página nas redes sociais e receba em sua timeline todas as novidades sobre Cloud Computing, redes corporativas, firewall gerenciado e muito mais!

 

Sobre o autor

Telium

Deixar comentário.

Share This