Gestão de processos

Você conhece os 4 V’s do Big Data?

Escrito por Telium

O mundo hoje está conectado, isso é fato. Se pararmos para analisar a quantidade de atividades que são realizadas atualmente por meio de sistemas informatizados, o tempo que passamos na internet e a quantidade de informações que geramos e consumimos na rede, certamente ficaríamos ainda mais convencidos de que a virtualização é uma realidade.

Nesse contexto, o universo de informações e dados que trafegam e estão acessíveis pela rede, conhecido como Big Data, tornou-se um elemento altamente estratégico para as mais variadas finalidades. As empresas, por exemplo, podem prever demandas, antecipar tendências e potencializar o marketing, contratar serviços na nuvem e muito mais.

O Big Data é fonte de inovação e um poderoso fornecedor de insigths, além de ser um grande aliado na tomada de decisão. Mas, agora perguntamos: você conhece os 4 V’s do Big Data? Não? Então está na hora de melhorar a sua compreensão sobre esse conceito, e o post de hoje pode ajudar. Continue lendo e entenda mais sobre o Volume, Velocidade, Veracidade e Variedade. Acompanhe:

1. Volume

Pensar em Big Data, como a própria tradução do conceito induz, é pensar grande. O volume de informações provenientes dos mais variados serviços, sistemas e plataformas formam um oceano de dados que é difícil até quantificar.

O significado do primeiro “V” do Big Data, diz respeito exatamente à quantidade de informações produzidas pelos usuários da rede. Para se ter ideia do “volume” que estamos falando, confira estes números:

  • 40 zetabytes de dados serão criados até 2020 — isso equivale a 43 trilhões de gigabytes e representa uma quantidade 300 vezes maior que em 2005;

  • 6 bilhões de pessoas possuem celulares hoje;

  • estima-se que 2,3 trilhões de gigabytes são criados diariamente em todo mundo;

  • em 60 segundos ocorrem 695 mil atualizações de status no Facebook e 168 milhões de e-mails são enviados.

São esses milhões de milhões de bytes que servem de apoio e norte para muitas operações empresariais. Com os softwares adequados, as empresas podem coletar, estruturar e dar valor para esses dados, criando insghts perfeitos para as suas ações.

Por exemplo, a empresa pode conhecer melhor o mercado como um todo, entender como os consumidores se comportam e quais são as demandas mais recorrentes e, assim, preparar a organização para atendê-las.

2. Velocidade

Como vimos, a quantidade de informações e dados é bastante grande. Contudo, acompanhar o fluxo de criação e circulação delas não é tarefa fácil. Nesse ponto, o segundo “V” do Big Data está associado à velocidade.

Com uma infinidade de sites, redes sociais, dispositivos e sistemas gerando dados, é extremamente complexo para os profissionais de TI e suas soluções acompanhar o ritmo exponencial de crescimento, embora isso seja necessário. Para se ter uma noção, confira mais alguns números do Big Data:

  • carros modernos têm em média 100 sensores que monitoram e informam todo tipo de situação ao condutor e centrais;

  • até 2016, projetava-se a criação de 18.9 bilhões de redes de conexão — hoje certamente esse número é bem maior;

  • com a tendência da IoT (Internet of Things) mais e mais equipamentos vão se conectar à internet e gerar dados.

Por esses e muitos outros motivos, as empresas, mais do que nunca, necessitam se modernizar, utilizar softwares robustos e ter profissionais de TI qualificados para conseguir processar toda a informação coletada no Big Data e assim gerar valor para o negócio. É essa análise rápida e efetiva que permite encontrar as respostas para as perguntas e, com isso, direcionar de forma mais proveitosa os recursos da organização em tempo real — daí por que falamos que o Big Data é crucial para a tomada de decisão.

3. Veracidade

Quantidade nem sempre significa qualidade. Em se tratando de Big Data, a lógica também é essa. A verdade é que na infinidade de informações que trafegam na rede, muita coisa não condiz com a realidade atual e nem muito menos com a necessidade da empresa. Por isso, a noção do terceiro “V” do Big Data, a Veracidade, é tão importante.

Veracidade é o que permite uma análise de dados mais consistente e adequada, baseada em informações relevantes e, mais que isso, potencialmente utilizáveis para melhorar as operações da empresa.

Por exemplo, se o Big Data está sendo utilizado para a formulação de uma estratégia de marketing, é essencial que os dados relacionados aos consumidores sejam os mais reais e atuais possíveis. Assim, criar um perfil de cliente, por exemplo, se torna mais confiável e a empresa não correrá os riscos de investir em ações pouco efetivas, em razão do desalinhamento do marketing com o público-alvo.

4. Variedade

O quarto “V” do Big Data refere-se à variedade. Nesse ponto, a noção que se tem é que os dados advêm de diferentes fontes. Em regra, o Big Data escalona os dados da seguinte forma:

  • dados estruturados: podem ser os bancos de dados, tabelas e planilhas;

  • dados semiestruturados: acompanham padrões heterogêneos; são mais raros pois podem seguir padrões diversos;

  • dados não estruturados: são dados de fontes variadas, como imagens, áudios, e-mails, mídias sociais, documentos em nuvem, mensagens, vídeos etc.

O grande desafio das empresas em lidar com essa variedade de informações é a dificuldade na manipulação, pois como se trata de um volume expressivo e de diferentes fontes, a mineração, o armazenamento e a análise de dados se torna uma tarefa complexa e que exige softwares específicos e serviços de TI alinhados com esse tipo de demanda.

Em contrapartida, quando bem-feita, a análise pode agregar um valor imensurável ao negócio, facilitando a gestão da empresa e a definição de objetivos e as estratégias para alcançá-los.

Por fim, como vimos, os 4 V’s do Big Data são elementos altamente estratégicos para as atividades das empresas atualmente. A noção trazida por esses conceitos ajuda os gestores e gerentes de TI a pensar de forma mais abrangente e utilizar de forma mais valiosa as informações produzidas dentro da empresa, como em seus softwares de CRM, e também fora, com a análise de dados oriundos das redes sociais, motores de busca etc.

Agora que você conhece um pouco mais sobre Big Data, não pare por aqui. Assine a nossa newsletter e receba os conteúdos mais relevantes sobre este e outros assuntos relacionados!

 

 

Sobre o autor

Telium

Deixar comentário.

Share This